Inmetro abre consulta sobre regulamentação de brinquedos para playground

Durante os últimos 15 anos, o Brasil registrou mais de 6 mil casos de internação hospitalar e 45 mortes de crianças devido a acidentes relacionados, principalmente, com quedas de equipamentos infantis instalados em playgrounds.

Esse cenário vai levar o Inmetro, Instituto Nacional de Metrologia, a abrir uma consulta pública para analisar o impacto da regulamentação desses equipamentos, frente a sociedade. O intuito, segundo o Instituto, é fazer com que a população tenha acesso a estudos com informações a cerca do impacto socioeconômico e ambiental dessa regulamentação, algo que, até então, nunca tinha sido feito no país.Inmetro abre consulta sobre regulamentação de brinquedos para playground

Para o chefe da Divisão de Articulação Externa e Desenvolvimento de Projetos Especiais do Inmetro, Gustavo Kuster, a fiscalização de produtos como os brinquedos para playground é uma tarefa das prefeituras, mas que falta a elas orientação técnica para fazer uma avaliação segura sobre a conservação e o uso deles. Por isso, a regulamentação dos brinquedos foi criada.

Como os brinquedos para playground também se situam em condomínios, escolas e parques, o Inmetro promete iniciar uma campanha com a indústria, o comércio e as entidades representativas de condomínios, para que todos conheçam as normas e, assim, gerem mais segurança nesses locais.

Segundo uma pesquisa realizada entre os meses de dezembro de 2013 e janeiro de 2014, em creches e pré-escolas, 62% das ocorrências de acidentes em playgrounds estão ligadas ao mau uso do equipamento. Dentre os acidentes mais graves (12,5%), 48,08% foram causados por quedas do brinquedo; 25% por lesões causadas pelo movimento do brinquedo; e 11,54% foram ocasionadas por aprisionamento de partes do corpo.

O Instituto deixará os estudos para consulta abertos ao público, durante 60 dias.

O texto da Portaria ficará disponível no site do Inmetro, até o dia 22 de setembro.

 

Comentários

Este artigo ainda não possui comentários.
FAÇA UMA PERGUNTA!

Seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *