Recordar é brincar!

Playground Big Little

Atualmente, percebemos que, a cada dia que passa, as crianças acabam por ver menos o sol e, também, se sujar com terra, ou correr no meio do mato. Coisas que poderiam ser muito comuns, antigamente, como, por exemplo, andar de bicicleta, ou, simplesmente, ir às ruas para jogar bola, se tornaram raridades, com o passar do tempo, e isto é fácil de se entender, afinal, estamos falando de um mundo que evoluiu, e com esta evolução, acabou por ficar mais inseguro, restrito e controlado, fazendo com que os pais tenham medo de deixar seus filhos brincarem nas ruas, assim como, também, evidenciou sua falta de tempo, para supervisioná-los.

No entanto, há algumas brincadeiras, que estas crianças, sequer, devem conhecer, mas que nos tempos de seus pais, ou, até mesmo, de seus avós, poderiam ser consideradas muito divertidas. Sendo assim, vejamos, agora mesmo, algumas brincadeiras antigas que fizeram muito sucesso.

Brincadeiras:

As primeiras brincadeiras, que poderiam ser consideradas como muito comuns, e claro, que ainda são populares, como, por exemplo, pega-pega e pique esconde, eram as preferidas, das crianças, da época. Outra, que também se tornou bastante famosa, seria o pique bandeira, que é necessário um pouco mais de atividade por parte das crianças e, claro, uma quantidade maior, afinal, é necessário que times sejam divididos.

Também podemos observar atividades, a primeira vista, pouco usuais, aos olhos de quem está acostumado com brincadeiras comuns, mas, mesmo assim, muito importantes, no aprendizado das crianças, como gincanas e competições mais elaboradas . Fazendo com que elas aprendam a lidar com as pessoas, e claro, conviver com busca por limites, competitividade e outros fatores que, se bem dosados, só têm à somar, na vida delas.

E, por fim, não podemos nos esquecer de brincadeiras tradicionais, como “rouba marido”, “elefantinho colorido”, “rio vermelho”, “mãe da rua”, entre muitas outras, que faziam muito sucesso, principalmente, em época de férias das crianças.

Comentários

Este artigo ainda não possui comentários.
FAÇA UMA PERGUNTA!

Seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *